quarta-feira, junho 28, 2006

Saudades de ti.....


E a noite caía.... sentada nos rochedos, observava a noite chegar e lembrava-me como era bom quando o fazíamos juntos... quando paravas o carro junto a berma, e descíamos até aos rochedos... para ficar a comtemplar o cair da noite....
O barulho das ondas nas rochas faziam-me estremecer... e tu abraçavas-me.... sentia-me segura... os teus braços envolviam-me num longo abraço, e o Mundo parava.... eramos dois em um.... e a nossa volta nada existia.... por vezes ficavamos ate ao nascer do sol...
Quando chovia, ficavamos no carro á espera que parasse.... para podermos comtemplar o luar reflectido na agua... aquele cantinho secreto.... era nosso.
Um dia deixaste de vir.... descobri que os sentimentos que trocavamos com breves olhares tinham ficado em teu lugar.... nunca deixei de vir ver cair a noite.... esperando que um dia te pudesse descobrir no lugar que te deixei... e quando lembro os momentos passados junto aquele farol iluminado... lembro do teu abraço... quente e firme... que me envolvia e me fazia sentir segura... as ondas que outrora vinham beijar os rochedos, já não vêem com a mesma intensidade... e a noite que antigamente caía serena e pausadamente, agora parece ter pressa em cair... o farol que exibia a sua luz demoradamente.... apagou-se.... e eu...
Eu venho sempre, todos os dias, ver o cair da noite... sentir o vento bater na cara, sentir o cheiro da marezia... olhar para o farol!!!
As gaivotas parecem querer falar... parecem querer dizer que tu um dia vais voltar.... regressarás ao lugar em que te deixei um dia... de braços abertos, pronto para aquele abraço...
O mar voltará a ecludir com toda a sua força... a noite voltará a cair serena e demoradamente para que todos a possam apreciar....
O farol... esse voltará a exibir a sua luz e voltará a iluminar aquele cantinho sagrado, em que tu eras eu, e eu eras tu...
Estou aqui, sentada nos rochedos... pensando como seria bom neste preciso momento aquele abraço... uma lagrima junta-se ao mar salgado... e o pensamento voa longe com a brisa... uma luz encandeia-me no olhar... a noite caí lentamente, e o mar de tão revoltado que está molhou-me....atrás de mim, bem atrás de mim, estás tu... sentado.. sereno... estendes os braços e envolves-me num abraço terno e delicado.... sinto-te em mim.... a cada segundo que passa, penso que cada vez mais há quem saiba das coisas... e que as coisas que diz ou faz são acertadas....
Como aquela gaivota.... que me contou que um dia tu ías voltar....
E voltaste.......
Ana Cardoso

6 comentários:

Beyond the Invisible disse...

E se um dia já não quiseres ser marinheiro na minha boca?A pergunta oscilou na lua cheia,recortando desenhos de medo no ramalhar das árvores.Como se fosse possível,parar a fúria dos meus dedos e o cheiro de ti,que deixava entrar-me no corpo.Rasgava-se a ternura.Era o encontro.O raro encontro de nós,espalmado no percurso nervoso das minhas mãos.Ávidas nas palavras.Na comunhão do sentir.O mesmo vibrar de lua,oscilando no reflexo dos teus olhos de perguntar.Não era possível,nem o engano nem a mentira.Que essa sente-se no ar,no hesitar das bocas,..no receio dos dedos em dádivas retraídas..
E foi por essa verdade ,essa ternura lavada do teu aceitar ,que a minha entrega se tornou paralela e te ondulava o corpo na frequência do teu agora.

Beyond the Invisible disse...

Aceitei soltar-me de mim,repousar a minha segurança,nas tuas mãos,e fixar nos pilares das tuas palavras a certeza do amanhã.Perfurava-me a vertigem do medo,que me empurrava,acreditando nas gotas de dádiva que os teus olhos deslizavam.Deois quando o céu se fez azul,e as gaivotas dos sonhos oscilavam no zigue zague do vento,deixei que me partissem dos dedos as caravelas de ternura.Sulcaram mares na espuma do trajecto dos lemes da saudade.Até que subitamente,a lua se escondeu e o mar secou.As caravelas de vento adormeceram no deserto.Os meus dedos subiram mastros inúteis á procura das lágrimas do mar.Os meus olhos não mais encotraram os teus...
_________**Não,não fui eu que escrevi,mas achei que ficava bem.Tens um blog lindissimo,parabens minha querida e continua****

socia disse...

Bom.....
Mais uma q me surpreendeu.
Já não é a primeira vez que me acontece vir ler blogues de algumas pessoas daquela sala doida que é o Bar, e também não é a primeira vez que me surpreendo com o que leio, normalmente e pela positiva, os que me parecem mais doidos, são os que acabam por se mostrarem os mais ... como direi?
Mais sensiveis...
Mais ternos ...
Mais humanos...
Mais sentimentais...

Gostei minha grande maluca, continua.

Beijos
Belinha

mesanto disse...

Fabiana..tou..sem palavras..bem já adicionei o teu blog aos meus favoritos..quero continuar a vir aqui..veijos

Lia disse...

tas de parabens Fabiana
pareces ser uma pessoa muito sensivel e nao tao louca como a Obsesion do bar...(lol)
Adoro o que escreves.
Lia

quasetrintona disse...

OLa! tou a ver que a menina tem veia de poeta..mt bem! continua assim que vais mt bem :)) beijinhos da quasetrintona :))***

Um pouco de mim ....